Agenda das Comemorações dos 150 Anos da Abolição da Pena de Morte em Portugal

 

 

Mar
1
Qua
2017
“Abolição da pena de morte e cidadania europeia” @ Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Mar 1 2017_Jul 31 2018 todo o dia
"Abolição da pena de morte e cidadania europeia" @ Arquivo Nacional da Torre do Tombo

Exposição permanente que mostra em dois mapas de grande formato, cronologias da pena de morte em Portugal e no mundo e a Carta de Lei pela qual D. Luís sanciona o Decreto das Cortes Gerais de 26 de Junho de 1867 que aprova a reforma penal e das prisões, com abolição da pena de morte, que mereceu a atribuição da Marca do Património Europeu, em 2015, por simbolizar os princípios e valores da cidadania europeia.

Horário: segunda a sexta das 9h30 às 19h30; sábado das 9h30 às 12h30

Fev
9
Sex
2018
O Último dia de um Condenado – TOURNÉE NACIONAL
Fev 9@18:30_Mai 30@19:45

O Último dia de um Condenado.

Com Virgílio Castelo e encenação de Paulo Sousa Costa.

Tournée Nacional.

De 09 de fevereiro a 20 de maio de 2018 

 

 

 

FEVEREIRO

9 de Fevereiro: Casa das Artes de Arcos de Valdevez

17 de Fevereiro: Pax Julia – Beja

MARÇO

3 de Março: Cae – Caldas da Rainha

10 de Março- Cine Teatro Garret – Póvoa de Varzim 

17 de Março- Teatro das Figuras – Faro

24 de Março- Cine Teatro Anadia

27 de Março – Teatro José Lúcio da Silva – Leiria 

31 de Março – Régua

ABRIL

14 de Abril – Cartaxo

21 de Abril – Teatro Ribeiro Conceição – Lamego

MAIO

5 de Maio – Albergaria 

12 de Maio – Auditório Municipal de Albufeira

18 a 20 de Maio – Teatro Sá da Bandeira – Porto – A aguardar confirmação

30 de Maio – Estarreja

Horários:  18h30 (Datas e Locais sujeitos a confirmação junto aos locais de espetáculo)

Sinopse

Uma adaptação a partir da obra homónima de Victor Hugo, que versa as últimas horas de um homem que está no corredor da morte, com o fim iminente à sua espera. É uma crítica mordaz à pena de morte, onde o autor questiona a justiça por tamanha barbaridade que é tirar a vida a um ser humano, mesmo que seja culpado por um crime de sangue.

É um manifesto a favor da abolição da pena de morte, publicado em 1862. Esta obra teve repercussões em todo o mundo, contribuindo para a proibição da pena capital.

Portugal foi um dos primeiros país da Europa a abolir a pena de morte e o romancista francês Victor Hugo referiu esse facto, congratulando o feito e dizendo “Portugal dá o exemplo à Europa, que imitará a vossa nação. Morte à Morte. Guerra à Guerra. Viva a vida! Ódio ao ódio! A Liberdade é uma imensa cidade da qual todos somos concidadãos”.

Abr
3
Ter
2018
Arte Urbana @ Santa Apolónia
Abr 3 2018_Jul 1 2020 todo o dia

Lisboa tem uma nova peça de arte urbana realizada no contexto da atribuição da Marca do Património Europeu à Carta de Lei da Abolição da Pena de Morte e para assinalar as Comemorações dos 150 anos da Abolição da Pena de Morte em Portugal (1867-2017).

Da autoria do criador nacional Mário Belém, o mural foi realizado entre os dias 26 e 31 de março e localiza-se na Calçada de Santa Apolónia/Rua da Bica do Sapato, perto do antigo Cais do Tojo da Bica do Sapato, lugar aberto de execução de penas capitais para servir de exemplo público, no passado.

Mais informação na NOTA DE IMPRENSA

Abr
7
Sáb
2018
Morte à morte! – 150 da abolição da pena de morte em Portugal/1867-2017 | CPF @ Centro de Fotografia do Porto
Abr 7@10:00_Jun 28@18:00

É apresentada no edifício da Antiga Cadeia e Tribunal da Relação do Porto, hoje sede do Centro Português de Fotografia, a exposição evocativa dos 150 anos da abolição da pena de morte em Portugal, numa iniciativa conjunta da Assembleia da República com o Arquivo Nacional da Torre do Tombo.

A mostra, comissariada pelo historiador Luís Farinha, destaca o pioneirismo de Portugal na abolição da pena de morte e apresenta, através de textos, imagens e documentos, os antecedentes jurídicos e políticos, as práticas anteriores de execução, as repercussões nacionais e internacionais da aprovação da carta de lei, os sucedâneos da pena de morte (pena celular perpétua e degredo para as colónias), as tentativas de reposição da pena capital, fazendo-se ainda referência à situação atual no mundo.

A mostra estará patente até 24 de junho de 2018.

Horário – março a junho
terça a sexta-feira
10h00 – 18h00sábados, domingos e feriados
15h00 – 19h00Horário nos restantes meses: clique aqui

O Centro Português de Fotografia encerra a 1 de janeiro, domingo de Páscoa, 1 de maio e 25 de dezembro
Entrada livre